domingo, 11 de junho de 2017

Mesa Suporte para Bandeja

Mesa Suporte para Bandeja
Utilizada para elevação das bandejas;


Confira em nosso site: Mesa Suporte para Bandeja

Suporte totalmente desmontável;

Com borboletas ajustáveis para uma maior firmeza na bancada;

Não necessita de nenhuma ferramenta para montagem;

Com regulagem para duas alturas;

Material metálico na cor preta com pintura eletrostática (ante ranhuras);

Esta é a razão para a utilização dessa técnica de pintura na indústria automobilística, tornando a pintura eletrostática mais resistente a arranhões, corrosão e outros tipos de dano.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

PULGÃO

Nome Científico: Diversas famílias e gêneros
Nomes Populares: Afídeo, Afídio, Piolho, Piolhos-das-plantas, Pulgão
Ordem: Hemiptera
Classe: Insecta
Filo: Arthropoda
Reino: Animalia
Partes Afetadas: Botões, Brotos, Caule, Colmos, Folhas, Ramos
Sintomas: Descoloração, amarelamento, enrolamento e enrugamento das folhas, subdesenvolvimento de flores, frutos e de toda a planta


Os pulgões são insetos sugadores capazes de se multiplicar rapidamente, causando sério prejuízos econômicos para agricultores em geral. Das cerca de 4.000 espécies conhecidas, pelo menos 250 causam perdas agrícolas. Eles se alimentam da seiva das plantas, perfurando os vasos condutores. Além dos prejuízos diretos, os pulgões ainda são transmissores de doenças entre as plantas e favorecem o surgimento de fungos.

Seu ciclo reprodutivo é bastante interessante, sendo que nos meses mais quentes do ano as fêmeas produzem outras fêmeas partenogeneticamente, isto é, sem fecundação e de maneira vivípara; enquanto que no outono, ocorrendo o acasalamento entre machos e fêmeas, e tornam-se ovíparos.

Os pulgões podem apresentar diversas cores, de acordo com a espécie, entre o marrom, o verde, o amarelo, o vermelho, o cinza e o preto. Os principais predadores naturais dos pulgões são as joaninhas, sirfídeos (moscas-das-flores), besouros e vespas, mas há inúmeros outros animais capazes de predá-los. Algumas formigas utilizam-se de uma solução aquosa rica em açúcares, que os pulgões excretam e por este motivo protegem-nas dos predadores.

O controle dos pulgões pode ser feito naturalmente com a introdução de predadores e parasitas. Outras formas de combate tradicionais e eficientes, são a calda de fumo e o óleo mineral. Inseticidas comerciais devem ser usados apenas quando as plantas não estiverem com flores e frutos, pois matam também insetos benéficos às plantas como as abelhas.

LAGARTA MINADORA

Nome Científico: Phyllocnistis spp., Liriomyza spp.
Nomes Populares: Lagarta-minadora, Larva-minadora, Migradora, Minador, Minadora
Ordem: Lepidoptera
Classe: Insecta
Filo: Arthropoda
Reino: Animalia
Partes Afetadas: Brotos, Folhas
Sintomas: Enfraquecimento, Formação de galerias em folhas e brotações novas, Queda das folhas


A lagarta-minadora é um tipo muito peculiar de inseto, ao menos em se tratando de sua forma de atacar as plantas. É chamada de minadora porque a fase larval desenvolve-se sob a primeira camada de tecido foliar, formando galerias por onde passa. Os gêneros mais comuns infestando as plantas são Phyllocnistis e Liriomyza.

Essa praga ataca brotações e folhas de diversas plantas como: tomateiro, citros diversos, couve e muitas espécies de plantas ornamentais.

O inseto adulto é bem conhecido, trata-se de uma pequena mariposa de no máximo 1 cm de comprimento que coloca os ovos sobre as folhas das plantas e, quando esses eclodem, a lagarta penetra e alimenta-se de tecido vegetal.

Esse ciclo leva de 8 a 20 dias para completar-se, fazendo com que a infestação cresça rapidamente. Além do dano causado por si, a minadora ainda facilita a entrada de microorganismos que causam doenças nas plantas como fungos e bactérias.

Ocorre durante o ano todo, principalmente no período mais seco, quase desaparecendo em períodos chuvosos. A irrigação derruba os ovos e as larvas que não penetraram nas folhas ou ramos, o que pode diminuir a incidência da praga.

Em condições naturais, a praga é controlada por parasitóides dos gêneros Diglyphus, Chrysocharis e Halticoptera e por predadores de pupas como as formigas. O controle químico é o mais usado, porém, tem efeito satisfatório apenas nos adultos ou em larvas recém eclodidas, nas lagartas que estão minando, o tecido vegetal acaba por proteger a minadora. Arrancar folhas com a praga e destruí-las também é importante para controlar a população.

COCHONILHA

Nome Científico: Diversas famílias e gêneros
Nomes Populares: Cochonilha, Cochonilhas-de-escama, Insetos-escama, Lapinhas
Ordem: Hemiptera
Classe: Insecta
Filo: Arthropoda
Reino: Animalia
Partes Afetadas: Brotos, Caule, Flores, Folhas, Frutos, Raízes, Ramos
Sintomas: Enrolamento e enrugamento das folhas, Subdesenvolvimento da planta, Casquinhas sobre as folhas, caule, brotações, frutos e raízes


São denominadas cochonilhas, os pequenos insetos pertencentes à superfamília Coccoidea. Eles têm aspecto bastante diferente de outros insetos e são muito importantes, devido às grandes perdas agrícolas que porporcionam. No entanto, apesar de muitas cochonilhas serem consideradas pragas, algumas espécies se destacam na produção de verniz (Llaveia axin), laca (Laccifer lacca), cêra (Ceroplastes ceriferus), medicamentos (Ceroplastes ceriferus) e corante carmim (Dactylopius coccus). Muitas também produzem uma secreção adocicada que, quando coletada e processada pelas abelhas (Apis mellifera) compõe o honeydew, um mel muito valioso e especial.

As espécies de cochonilhas podem ter aparência muito distinta umas das outras. Elas podem ser algodonosas, de cor branca e aspecto farinhento, ou cerosas, de colorações variadas, como laranja, vermelho, verde, marrom, perolado, cinza, etc. As formas também são variadas, como cabeças de prego, conchas de ostras, bolinhas, escamas, etc.

As fêmeas adultas são as pragas propriamente ditas. Elas são imóveis e com aparelho bucal sugador muito desenvolvido, capaz de sugar a seiva diretamente dos sistema vascular das plantas. Após a fixação, elas produzem cera, que forma a carapaça, recobrindo seu corpo como um escudo e que serve de proteção contra os inimigos naturais e os inseticidas.

Os machos adultos são muito diferentes das fêmeas e têm vida efêmera, durando cerca de 2 dias. Eles nuncas se alimentam, possuem asas, filamentos de cauda e se assemelham a pequenos mosquitos ou moscas. As cochonilhas podem se reproduzir sexualmente e por sete tipos diferentes de partenogênese, de acordo com a espécie.

As fêmeas adultas põem ovos que eclodem dando origem a ninfas, que são móveis, possuem patas e antenas. Desta forma as fêmeas jovens podem se locomover, buscando encontrar um bom lugar para se fixarem. Após a primeira muda, suas patas se atrofiam e elas se tornam imóveis, passando a sugar ininterruptamente a seiva da planta. Os machos jovens são como as fêmeas jovens, mas no estágio final, produzem asas.

As cochonilhas podem ser encontrados em ramos, folhas, frutos e raízes das mais diversas plantas. Muitas apresentam associação com formigas, que as protegem em troca da secreção adocicada que produzem. Esta secreção também propicia o surgimento da fumagina (Meliola sp e Capnodium sp), fungos de micélio escuro, que recobre as partes da planta, impedindo a fotossíntese.

As cochonilhas apresentam difícil controle através de inseticidas, principalmente as que têm espessa carapaça. A carapaça impede o contato dos produtos com o corpo do inseto e, desta forma o inseticida acaba afetando apenas os estágios de ninfas e os machos. No entanto o controle com pulverizações de emulsões de sabão e óleo mineral é efetivo, pois resulta em uma camada impermeável sobre o inseto, impedindo-o de respirar, matando assim por sufocamento. Combinações com calda de fumo também podem auxiliar na eliminação da praga.

O controle biológico é muito importante no controle e é realizado por joaninhas e algumas espécies de vespas. Estes insetos agem predando as cochonilhas e outras pragas como pulgões. Portanto deve-se evitar ao máximo o uso de inseticidas sobre plantas afetadas, pois podemos estar matando os importantes predadores e outros insetos benéficos, como abelhas polinizadoras, sem no entanto afetar cochonilhas mais resistentes.

MOSCA BRANCA

Nome Científico: Bemisia tabaci, Bemisia argentifolii
Nomes Populares: Mosca-branca, Piolho-das-plantas, Piolhos farinhentos
Ordem: Hemiptera
Classe: Insecta
Filo: Arthropoda
Reino: Animalia
Partes Afetadas: Botões, Brotos, Folhas, Toda a Planta
Sintomas: Folhas enrugadas com coloração amareladas, amadurecimento irregular de frutos, presença de fumagina. Redução de floração.



A mosca-branca é uma das pragas mais conhecidas no mundo e está presente em praticamente todas as regiões agrícolas. Tecnicamente não se trata de uma mosca, pois é um hemíptero, mesma ordem dos pulgões e percevejos, e não díptero que é a ordem das moscas comuns. Uma regra prática para não confundir é o número de asas: hemípteros têm quatro asas enquanto que dípteros têm duas. Existem duas espécies bastante conhecidas como pragas, Bemisia tabaci e Bemisia argentifolii. A segunda é conhecida por ser mais destrutiva e resistente a certos inseticidas.
A mosca-branca é muito pequena, medindo de 1 a 2 milímetros e tem coloração de branca a amarelo-pálido, os olhos são negros e se destacam no corpo do inseto. Quando está em repouso, mantém as asas fechadas, parecendo haver um par somente. Não se move rapidamente sendo de fácil captura, no entanto tem grande capacidade de dispersão pela quantidade de ovos, 200 em média por fêmea, e pela ação do vento como agente dispersante. Prefere climas mais secos, onde são maiores sua longevidade e fertilidade.

Os danos causados pela mosca-branca são, além da sucção de seiva que enfraquece as plantas, o deposito de toxinas que provocam crescimento desuniforme dos tecidos vegetais. Ainda, assim como os pulgões, a mosca-branca também secreta uma substância açucarada que permite o desenvolvimento de fumagina, um tipo de fungo escuro que impede a fotossíntese nas plantas.

Outro dano, talvez o mais importante em algumas culturas, é o fato de esta praga ser transmissora dos vírus Begomovírus e do VMDF (vírus do mosaico dourado do feijoeiro). A mosca branca infesta muitas espécies de plantas conhecidas, como tomateiro, feijoeiro, soja, brócolis e diversas ornamentais. Também é encontrada em plantas daninhas presentes em jardins, terrenos baldios e cultivos comerciais.

O controle de mosca-branca em grande escala é realizado via aplicação de inseticidas, principalmente em culturas como soja e feijão. Em áreas menores como de hortaliças e ornamentais sugere-se o controle preventivo. A aquisição de mudas sadias, erradicação rápida de plantas doentes e restos culturais são ações que evitam a infestação por mosca branca. Também podemos utilizar armadilhas de coloração amarela, em lona, plástico, etiquetas, etc., untadas com óleo. Estas devem ser colocadas entre as plantas, na mesma altura das plantas presentes no local.

Existem diversos inimigos naturais de mosca-branca, são várias espécies de percevejos, lixeiras, besouros e vespas. Há, ainda, espécies de parasitóides dos gêneros Encarsia, Erectomecerus e Amitus. Realizando prevenção e/ou controle químico racional,  podemos manter e até aumentar a presença desses inimigos naturais de mosca branca.

sábado, 20 de agosto de 2016

Julian Marley - e o boné da GrowPlant

Baixista do Julian Marley com o boné da GrowPlant em festival de reggae na Alemanhâ- ReggeaJam 2016

Alguns TAKES do show




Show COMPLETO


segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Saiba mais sobre aminoácidos


Aminoácidos: fonte de vida para suas plantas...




Neste novo artigo vamos nos concentrar em falar sobre um dos elementos mais desconhecidos da nutrição das plantas, e possivelmente um dos mais importantes: os aminoácidos.

Há muitas maneiras de se olhar para os compostos “amino-ácidos” que é como os chamamos de modo geral. Um aminoácido é um tipo de ácido orgânico (húmico ou fúlvico) ou sintético (agentes quelantes) que contém um grupo funcional “ácido” e um grupo funcional “amina” nos átomos de carbono adjacentes. Os aminoácidos são considerados os “os blocos de construção” das proteínas.

Os elementos principais de um aminoácido são o carbono, oxigênio, hidrogênio, e azoto; embora seja bom salientar que outros elementos podem ser encontrados nas cadeias laterais de certos aminoácidos.

As plantas, assim como qualquer organismo vivo, precisam de certos componentes para que seu desenvolvimento e crescimento ocorram de forma plena em todos os estágios de seu ciclo vital, no caso das plantas, um solo (ou substratos) apto para o plantio, sol, água e ar.  O componente básico para formação das células vivas são as proteínas, e para que estas sejam formadas, são necessários os aminoácidos. As proteínas são formadas por sequências de ácidos-aminados, ou dito de outra forma, aminoácidos.

O efeito sobre as plantas...

Os aminoácidos em quantidades adequadas são essenciais para a boa nutrição das plantas, e por consequência, para aumentar o rendimento e qualidade geral das colheitas.


Aminoácidos são ingredientes fundamentais no processo de síntese de proteínas. Cerca de 20 aminoácidos estão importantemente envolvidos nos processos das funções básicas das plantas. Numerosos estudos de todo o mundo têm demonstrado que os aminoácidos podem direta ou indiretamente influenciar nas atividades fisiológicas das plantas.

Os aminoácidos podem ser fornecidos às plantas incorporando-os ao solo, como nos casos de solos ricos em materiais de compostagem, húmus de minhoca ou similares. Eles ajudam a melhorar a microflora do solo, facilitando a assimilação de nutrientes que de outra forma seriam de difícil assimilação pelas plantas, este tipo de ação tem o nome de quelação.

O que é a quelação nos fertilizantes?

A quelação é um estado dentro do qual os átomos metálicos (zinco, ferro, cobre, magnésio, etc.) encontram-se, e neste modo as plantas podem melhor absorve-los.

Efeito quelante: os aminoácidos têm um efeito quelante sobre os micronutrientes. Ou seja, quando são aplicados em conjunto com micronutrientes, a absorção e o transporte destes para o interior da planta acontecem muito mais facilmente.

Os fertilizantes que contêm ácidos húmicos e fúlvicos ricos em aminoácidos conseguem “quelar” estes compostos, e assim as plantas podem melhor dissolvê-los e incorporá-los, além de enriquecer o solo com uma grande flora-bacteriana benéfica para as plantas e para o próprio solo.


No mercado existem quelatos sintéticos que ajudam na absorção de nutrientes, mas nós recomentamos a utilização de quelatos orgânicos, e neste caso os quelantes do Bio Hevean da Biobizz são sem dúvida alguma um dos melhores produtos orgânicos disponíveis no mercado. Outra alternativa é utilizar compostos orgânicos do tipo húmus de minhoca, rico em ácidos húmicos, para a preparação do solo. Uma boa mistura de substratos que vai aportar aminoácidos e está ao alcance de qualquer bolso seria a seguinte fórmula: 50% de fibra de coco ou Sunshine, 30% de húmus de minhoca, e 20% de perlita ou vermiculita. Espero ter esclarecido algumas dúvidas sobre o complexo assunto dos aminoácidos e esperamos vocês nas próximas edições.

Não esqueça que o mais importante é o carinho, a delicadeza e a atenção na sua cultura. Boa colheita a todos!

Autor: MR. HYDRO